Como eu me sinto

|




Não que alguém tenha o interesse em saber. Na verdade, dizem que todos tem, mas sou fechado e nunca abro meu coração, mas é estranho isso, porque o que eu mais tenho feito é abrir meu coração. E abrir um coração despedaçado não é uma tarefa muito fácil. Às vezes cansa, sabe.
É por isso que eu não luto contra a tristeza. Pra quê lutar contra mim mesmo? Pra quê gastar toda a força que ainda me resta pra forçar minha alegria? E uma coisa eu digo: alegria forçada é pior que tristeza.
Ao contrário de antes, eu a cumprimento. A tristeza, eu quero dizer. E a abraço, e a deixo me envolver como uma velha amiga. Ela está lá com você quando você chora debaixo do chuveiro, onde ninguém vai te ouvir. Onde as lágrimas se confundem com a cortina de água que te cobre. Ela está presente em todas as músicas que você escuta. Em todas as entrelinhas e até mesmo nos silêncios. Ela os preenche de um modo que os deixe menos cruéis. Menos desconfortáveis. Ela presencia todas as suas escapadas para a cozinha. Te ajuda a roubar chocolates alheios, e a devorá-los como se fossem felicidade sólida. Ela está no seu reflexo quando você chora em frente ao espelho. Quando você pode vê-la realmente estampada no seu rosto, e até acenar para ela. Ela faz carinhos em seus cabelos enquanto você se encolhe, e se encolhe como se fizesse isso para salvar sua vida. Como se, se você se espremesse muito, todas as coisas ruins pudessem vazar pra fora de você. E ela vê cada uma das suas lágrimas quando você percebe que não, as coisas ruins não irão embora. Pelo menos não agora. E ela tem um cheiro tão bom. Cheiro de passado. E a textura mais macia, como o seu casaco favorito. Ela tem som de nostalgia. Um som melancólico. Ela soa em suas noites solitárias como baladas de amor antigas, de quando você nem era nascido. E o melhor sobre a tristeza é que mesmo que você tente expulsá-la da sua vida, mesmo que você tenha vergonha de apresentá-la aos seus melhores amigos, ela sempre te aceita de volta quando você precisa. Sempre. Ela tira toda a bagagem das suas costas e massageia seus pés. De um jeito que fica impossível recusar sua presença.E mais do que em tudo, ela está presente neste texto. Nesses parágrafos, linhas, palavras e em cada letra pressionada no teclado.

3 comentários:

Hoho'n disse... Responder comentário

Seu texto mais lindo caco. Lindo demais, me identifiquei muito com ele.
Super beijinhos :*

naomemandeflores disse... Responder comentário

Lindo e triste seu texto! Mas você está certíssimo: alegria forçada é pior que tristeza!

Beijo,
Camila F.

Thalissa disse... Responder comentário

também me identifico com o texto, um texto ótimo parabéns. bjos

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...